terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Simples.




Domingo eu e a Giovana (minha esposa) fomos a uma livraria e ao cinema.

Comprei um livro do Rubem Alves e ela da Lya Luft.

Amo ir ao cinema, ouvir música boa, bater papo sem pressa com amigos, amo minha esposa e filhas.

Como todo mundo, amo as coisas que considero atraentes e que tenham afinidade comigo.

Gosto de alguem pelo que vejo nele ou nela.

Deus não é assim.

Que bom.

Demorei pra perceber isso.

Será que Deus ama alguem porque é rigorosamente fiel a esposa ou separa uma hora de oração diária? Ou por ajudar os mais pobres e ir sempre a igreja?

Bom, se é nisso que acreditamos, não passamos de fariseus que se acham no direito de focar ao lado de Cristo por causa dessas boas obras.

Levou tempo pra eu saber essa antiga novidade do evangelho de que Deus não ama homens e mulheres porque são bons ou pelo que podem oferecer a Ele. Afinal Ele não ama só quem é bom.

É por ser incomparávbel e inimaginávelmente bom que Ele ama homens e mulheres mesmo nos seus pecados.

Portanto Deus Age e não Reage.

Sou amado porque Ele decidiu me amar e ponto final.

Nunca vou ser como deveria ser, por isso o amor Dele é incondicional.

Sendo assim penso:

- Será que quando peco, Deus franze a testa e quando arrependido peço perdão Ele fica numa boa e sorri?

Se pensar assim devo admitir que minha confissão provoca uma mudança em Deus e isso seria um absurdo. Acredito que minha confissão só provoca mudança em mim mesmo.

Isso é viver pela graça e não pelo meu desempenho. É saber que Deus me ama tanto quando estou em estado de graça quanto em desgraça.

O amor Dele não é baseado em desempenhos, não depende de humores, amor verdadeiro não oscila ou sofre alterações.